Outrora

 

Outrora, as formas claras

e brancas foram passivas

qual esta meta – quimera

cândida. E a mesma força

 

se mantinha, a vida calma

persistia em brava lógica,

na mesma lenta e pragmá-

tica dança de uma gueixa.

 

No escuro, o corpo: torto

e lasso. Caminho perdido

no encontro deste espaço

bambo, como o vento frio

 

tornou trêmulos os galhos

do sonho. Cedo, o menino

chorando, o desenganado,

olhou o campo de centeio.

 

 

[CJ]

Anúncios

Um comentário em “Outrora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s