Desde o dia em que ela foi embora

Foi num dia de sol, no meio da primavera, o trânsito estava ótimo, eu tinha acabado de comprar aquele dvd do Stone Roses que tinha demorado dois meses para chegar à loja, ainda aproveitei minha rara presença dentro de um shopping (porque já basta criar anúncios para esse templo de consumo, estar dentro dele para mim, como homem e publicitário que sou, é mortal) e passei para comprar o tal do “tapetinho de yoga” que ela queria. Comprei flores no caminho e o dia estava bonito assim de irritar. Carrinhos de bebês rosados andando na nossa rua contribuíam para que aquela quarta-feira parecesse um comercial de leite em pó. Cheguei em casa com um bom humor de contagiar o porteiro que nem me olha nos olhos, subi correndo com as flores na mão, louco para contar pra Marcela que tinha sido promovido, que poderíamos no fim do ano passar o aniversário dela em Bali, que eu a amava, e enfim comer aquela mulher por três horas ininterruptas até que ela por fim gritasse “Júlio você é o homem da minha vida”. Eu tinha tudo planejado, e seria perfeito.

Cheguei em casa e a primeira coisa que vi foram umas caixas jogadas no chão. O quadro do Beatles, a cafeteira italiana (que tinha sido presente meu), metade da minha coleção de vinil, o vaso de cima da mesa, os dois Lichtensteins que eu tinha cabado de comprar pra botar no quarto, tudo tinha sumido misteriosamente, e naquele momento, eu já não tinha mais dúvidas. Assim, sem o menor motivo aparente, sem nenhuma briga ou insatisfação prévia, sem nenhum grito, briga ou questionamento, naquele dia ridiculamente lindo de primavera e seus bebês rosados em carrinhos brancos de comercial de leite em pó, Marcela tinha me deixado.

Silêncio.

Do alto do 12º andar, na sala meticulosamente decorada em estilo minimalista, silêncio. Quebrado apenas pelo farfalhar da cauda do cachorro. Silêncio. No quarto, na parte que lhe cabia do armário, apenas cabides sem uso, imbecis uns atrás dos outros. Silêncio. No estudo, o vácuo deixado pela retirada dos livros que lhe tocavam. Levou de mim algumas preciosidades. Na cozinha, dei pela falta da inigualável frigideira de ferro esmaltado e do curry que um amigo me havia trazido da África do Sul.

Só agora se dava conta do volume que aquela mulher ocupava em sua vida. Volume, volumosa. Espaço, espaçosa. Espaço vazio. Empreende a busca incessante pelo bilhete de despedida, que esperava seria claro o suficiente para entender o porquê do vazio. Procura em todos os cômodos, em todos os possíveis lugares para se deixar um bilhete, se põe no lugar dela, onde eu deixaria um bilhete se largasse alguém após tanto tempo? Infrutífera a procura. Haveria razão? Dúvida. Alimenta o cão e liga o notebook. Deve ter mandado um e-mail. Silêncio. Escolhe a trilha sonora do abandono e quebra a inquietude do ambiente. Chet Baker. Guarda as coisas e pede um combinado no japonês do bairro. Senta-se na varanda, acende um cigarro e mira aquele entardecer cinematográfico. Cinema ou novela? Pegou o telefone, discou o número de sua ex-futura sogra. Desligou ao conectar a ligação. De quê adiantaria externar sua incredulidade? Os fatos estavam postos, as caixas foram preenchidas, as roupas dobradas e acondicionadas com cuidado, os frascos de perfume e demais porcarias retirados do banheiro, o secador de cabelo desplugado da tomada, a toalha de maquiagem usada e lavada pela última vez. Teria se maquiado, pergunta-se. Atende o interfone, autoriza a entrega. Alimenta-se sozinho, sem brigas pelos sashimis. Sem brigas. Estira-se no sofá, liga a parafernália eletrônica e dá uma chance para o dvd que trouxera da rua. É…pelo menos ela deixou o cachorro.

PG e DF

Anúncios

11 comentários em “Desde o dia em que ela foi embora

  1. Whuhuu,alguém pra concordar comigo.
    E o garoto manda muito bem,salvou meu domingo com o final desse texto (que não poderia ser melhor,e que me causou sérias histerias na segunda de manha) Dieguito brigante, queremos prosa!!!

  2. concordo! muito bonito o segundo filho da parceria de vocês. só não sei se é mais que o primeiro, aquele é imbatível. casem logo pra fazer mais desses pra gente! rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s