A falta que me faz Diego F.

He went out. Dói. Leio fragmentos de um texto de janeiro de 2008. A falta que fazia Paula G. que ligava bêbada na madrugada de Israel dizendo que não tinha encontrado o sentido da vida, pelo contrário, andava triste. É judia e nada daquilo fazia sentido. Queria se entregar de corpo e alma a terra que diziam ser sua, mas tudo que fazia era ligar para ele, de madrugada, para dizer que naquela noite, tinha saudade demais. Deu sorte. Falou com os dois amigos ao mesmo tempo. Ele não atenderia dirigindo, claro. Mesmo que fosse eu ligando do oriente médio. Eu lembro exatamente do dia que ele ligou dizendo que iria embora. Disse que tinha conseguido o mestrado, e que no mais tardar em setembro, iria morar na Escócia. Alguns meses depois, e sem que eu aproveitasse direito (A gente nunca consegue fazer as coisas exatamente da forma com que a gente quer) Escócia mudou para Londres e hoje ele anunciou um lindo dia de sol no Coven Garden. É meu melhor amigo, sabe… Daqueles que muitas vezes você não suporta, e morre de raiva, mas é justamente isso que faz com que você tenha certeza absoluta do quanto o ama. Eu conheço os defeitos de Diego F. e justamente por isso, posso dizer que o amo, e que ele é meu melhor amigo. É difícil entender, agora que ele não está mais por perto, que a primeira pessoa que eu vá ver quando alguma coisa legal acontecer, ou quando a coisa apertar, não vai mais ser ele. Porque ele foi a primeira pessoa que eu vi nesses últimos anos, quando qualquer coisa acontecia na minha vida. Ele foi o primeiro a chegar. E na verdade ele vai ser sempre. Mesmo que seja só eu, do outro lado do mundo, imaginando o que ele iria dizer…

 

P.G

Anúncios

Até logo

Eu gostaria de escrever uma carta aberta de despedida, mas eu sei que isso não vai funcionar. Queria dizer a todos os amigos o quão queridos eles são e o quanto eles me farão falta. Queria dizer a minha ex-namorada que eu a amei até o meu possível. Queria dizer a todos os colegas o prazer que foi dividir o trabalho. Não há como transpor ao papel tantas coisas… seria uma amálgama de palavras que não fariam qualquer sentido. Calo-me pelo momento, pois tenho absoluta certeza de que o distanciamento físico e temporal me possibilitarão o discernimento necessário. Para escrever todas as cartas, para dizer os devidos “adeus”, para aprender a sentir, amar, viver… Seja o que for que me espera, que seja intenso. E tenho dito.

DF